Bruno Notícias

Notícias/Justiça

Justiça mantém ação que cobra R$ 9 mi de Bosaipo, Riva e mais 4

Juíza Célia Vidotti rejeitou contestação e deu prazo para partes apresentarem provas

Justiça mantém ação que cobra R$ 9 mi de Bosaipo, Riva e mais 4
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Justiça rejeitou contestação e manteve uma ação de ressarcimento ao erário, por ato de improbidade administrativa, contra o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Humberto Bosaipo, o ex-deputado estadual José Riva e outras quatros pessoas.

A decisão é assinada pela juíza Célia Vidotti, da Vara Especializada em Ações Coletivas, e foi publicada nesta terça-feira (5).

A ação foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) e apura o desvio de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa mediante fraude em licitação e a emissão e pagamento de cheques por produtos e serviços que nunca foram entregues ou prestados.

De acordo com MPE, foram emitidos 39 cheques em favor da empresa ­Gráfica Kateri; 53 cheques à empresa Gráfico Prestadora de  Serviços Ltda.; 43 cheques à empresa Gráfica Lazzaroto Ltda.; e 41 cheques nominados à empresa Artes Gráficas e Editora Ribeiro Ltda.

Além de Bosaipo e Riva, também respondem a ação Guilherme da Costa Garcia, Geraldo Lauro, José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira. O MPE pede que eles sejam condenados a ressarcir o dano causado ao Estado de Mato Grosso, no valor de R$ 9 milhões atualizados. 

Nas contestações, as defesa de Humberto Bosaipo, José e Joel Quirino, alegaram nulidade do inquérito civil pois, segundo eles, o Ministério Público não pode realizar investigações diretamente, mas apenas requisitar a instauração de inquérito policial ou procedimento administrativo.

Também alegaram ausência de contraditório, excesso de prazo para a conclusão do inquérito e levantaram suspeição do promotor de Justiça que conduziu as investigações.

Em sua decisão, a juíza rebateu todos os argumentos da defesa. Conforme ela,  a Constituição Federal não exclui a apuração do ato de improbidade por meio de inquérito civil pelo Ministério Público. 

“O inquérito civil é o procedimento preparatório, a disposição do Ministério Público, para realiza a persecução necessária sobre os fatos, do qual se irá obter, ou não, indícios suficientes do ato de improbidade e sua autoria para a propositura da ação civil visando a responsabilização por esses atos, na esfera da improbidade, a qual também não exclui eventual responsabilização nas esferas cível, penal e administrativa”, afirmou.

Ainda na decisão, a magistrada disse não vislumbrar qualquer nulidade no inquérito civil decorrente da ausência de contraditório, excesso de prazo ou pela  presidência  ter sido exercida por promotor de Justiça.

"O inquérito civil possui natureza administrativa, é uma investigação prévia, unilateral, que se destina basicamente a colher elementos que poderão subsidiar ou não a propositura da ação. Os indícios probatórios colhidos durante o referido procedimento administrativo não são absolutos e necessitam ser confirmados em Juízo, durante a instrução processual, para que tenham o status de prova”, disse.

Por fim, a magistrada deu prazo de para que as partes indiquem, as provas que pretendem produzir no processo.

FONTE/CRÉDITOS: Mídia News
Comentários:

Veja também

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )